Assédio Moral. O que é e como evitar?

Businesswoman in a Dunce Cap --- Image by © Steve Hix/Somos Images/Corbis

O assédio moral no trabalho se caracteriza pela exposição do colaborador a situações humilhantes e constrangedoras, de forma repetitiva e prolongada durante a vigência do contrato de trabalho, causando um efeito devastador na auto-estima da vítima. Tal violência psicológica causa danos à saúde mental e física não apenas à vítima da agressão,  como também, o colega de trabalho que presencia o fato, diminuindo a produtividade dos empregados, e aumentando os índices de faltas e atrasos e por consequência a rotatividade de profissionais.
No ambiente de trabalho, o assédio pode ocorrer tanto ente chefia e empregados, como também entre colegas de trabalho. O assédio pode se dar em forma de abuso de poder ou manipulação perversa. Entre as “manobras perversas” pode-se citar o isolamento da vítima, desqualificação, vexação, indução ao erro, assédio sexual, recusa da comunicação direta.

É importante enfatizar que para ser considerado assédio moral é preciso que o abuso de poder seja feito de forma repetitiva e prolongada, configurando a relação de perversidade no ambiente de trabalho. Nem sempre o abuso é feito por meio de xingos e insultos. Ao contrário, este não é um conflito aberto e declarado. Por isso, não raras vezes, apresenta-se mascarada de ternura e bem querer, envolto por um clima de ironia.

O melhor caminho rumo à repressão do assédio moral é sempre a prevenção. O assédio se instala nas organizações quando a vítima não é ouvida e o diálogo é impossível. Prevenir significa criar políticas que facilitem o diálogo e a comunicação verdadeira, o que inclui a conscientização dos empresários e seus prepostos ensinando-os a lidar com tais questões levando em conta a natureza humana.